quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O Heterossexual (parte 1)

João era um garoto como qualquer outro garoto. Ele tinha um par de olhos, um nariz, duas orelhas, uma boca, um genital exposto, enfim, todas as características de um garoto do sexo masculino. Psicologicamente, João era mais recluso, preferia ficar em casa, lendo, e quando saia tinha dificuldade de relacionar-se com os outros da sua idade. Porque João era diferente. Ele sempre soube. Todos desconfiavam, mas ele não podia ser. A sociedade dizia que aquilo era errado.
João era heterossexual. João gostava de mulher.

Ele sabia que isso era anormal. Ele tinha memórias de seu pai e o namorado dizendo para ele quando ele era criança que ele tinha que arrumar um bom homem no futuro, para casar com ele, e quando ele era bebê brincavam as familias vizinhas que ele e o vizinho eram namoradinhos. Mas ele se sentia desconfortável. Quando completou seus 16 anos, ele viu uma garota, uma garota que jamais sairia da cabeça dele, Maria. E ele sentiu-se diferente com Maria. Sua forma de andar, de se mexer, a forma com que seus cabelos balançavam ao vento, seu sorriso singelo, sua pele suave, macia...
Na mesma hora, ele gelou. Pele suave e macia? Se um dia o pai dele ouvisse ele dizer isso em voz alta ele seria deserdado.
"Não teria vergonha maior pra nossa familia se algum homem aqui gostasse de mulher. Sério, eu fico inojado com esses jovens de hoje em dia, andando com as mulheres de mãos dadas pelas ruas" dizia o pai.
"De mãos dadas?" exclamava a mãe. "Meu Deus, isso é doentio. Eles deveriam frequentar uma igreja.
Igreja? Bem... João não perderia nada tentando. Era um recém-adulto, com seus dezenove anos, se fosse ocorrer alguma mudança, teria que ser agora.

Era um dia nublado, de manhã, e lá estava ele, indo em direção à igreja que tinha perto de sua casa. Havia um grupo de jovens lá, e ele explicaria para o pastor a sua situação. Quando chegou, todos os olhares se voltaram para ele. Ele viu as mulheres, e os homens, e ele sentiu. Todos ali eram errados. Todos ali se gostavam. Todos ali deveriam mudar. Deveriam tentar mudar, pelo menos.
O culto foi longo. Algo sobre Deus ter feito o homem para o homem, e amulher para a mulher, citou o famoso ditado de que "os opostos não se atraem", a beleza da simetria sexual divina, e citou a famosa historia de Ló, quando sua esposa olha para trás e vira estátua de sal.
"Vocês compreendem? Ló era um pecador, morando com aquela mulher. Deus tinha que lhe enviar um sinal"
Logo após o culto, João se aproximou do pastor, que sorriu.
"Eu já sei o que você vai dizer." o pastor disse. "Você já teve relações com mulheres, não é?"
"Ainda não tive" João olhou para os lados, evergonhado "Mas tive vontade. Ela mora na minha rua. O nome dela é Maria. Acho que estou apaixonado por ela."
O pastor fez uma expressão de nojo, e balançou a cabeça negativamente, de forma sutil.
"Isso é um espírito ruim dentro de você. Você é um ser perfeito de Deus. Feito para um outro homem. Não uma mulher. A mudança tem que começar no seu coração. Se você se entregar aos desejos da carne, como poderá se multiplicar e ser feliz?"

João não foi convencido. Ele sabia que um dia engravidaria, assim como todos os homens e mulheres, e sabia que se ficasse com uma mulher isso não aconteceria, mas ele também sabia que ninguém nesse mundo fazia sexo apenas com a intenção do acasalamento.

E no caminho de volta para casa, o inevitável aconteceu. Ele dobrou uma esquina, e lá estava ela, Maria parada em um orelhão. ELe gelou de medo. Ela não podia perceber nada. Ele olhou em volta e viu vários outros homens, na calçada, e de repente um deles gritou:
"Ah lá, o heterossexual! Todo nervoso perto da mulher!" E riram. "Heterozinhooo, quer a bucetinha né?" Ele passou correndo por Maria, que ouviu o tumulto, mas a menina simplesmente o seguiu, até ele entrar em outra rua.
"Espera!" gritou Maria. João ficou pasmo. "Não liga não. Esse povo é assim mesmo. Não consegue entender nada que seja diferente."
"Eu sei... é que eu fiquei com vergonha de você..."
"Não liga não. Eu sou heterossexual também."
E João mordeu os lábios.
Abriu a boca para falar algo, mas nada saiu.



Continua...

3 comentários:

  1. Olha, tá até difícil comentar. Fantástico.

    Voltarei para ver o término do texto.

    ResponderExcluir
  2. Lindo blog amigo!!!
    E amei esse texto...ansioso pela continuação!!!
    Ah se eles sentissem por um dia q fosse oq sentimos a vida toda!!!
    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito Julien, você é um gênio. xD. Será que João e Maria ficarão juntos? Voltarei pra descobrir. Beijão.

    ResponderExcluir