quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Relatos de Recém Adultos...

"Oi, meu nome é Geison, sou de família evangélica, morámos no interior do estado. Aqui temos pouco pra fazer, fora trabalhar, por causa deste tédio e marasmo acabei sendo seduzido por uma perigosa galera, os metaleiros da cidade. Os metaleiros sempre andam de preto, com as camisetas das bandas que veneram, como Iron Maiden, Mayhem, Pantera, Metallica, Mega Deth, etc. Usam calças jeans rasgadas, cabelos compridos, unhas grandes e pintadas de preto, colares com avatares e símbolos pagãos e toténs indígenas. Fora o vestuário ainda há a ‘atitude metal’: Cuspir no chão, maltratar e desrespeitar os mais velhos, fazer uso de entorpecentes, vandalizar, pixar, agredir homossexuais, rituais umbandas, dentre vários absurdos.
Pra ser aceito no grupo é fácil, mas é um caminho sem volta. Poucos conseguem sair.
O Início Conheci o Chico Tuíta na xerosque onde eu trabalhava. Ele sempre andava com uma camiseta escrito ‘AC/DC’, que quer dizer Anti-Christ / Devil’s Child (Anti-Cristo / Filho do Diabo), banda australiana de adoradores do diabo.Chico se aproximou aos poucos, com aquela conversa fiada; um dia perguntou que tipo de música eu gostava. Respondi: “Gospel”. Ele gargalhou, disse que ia trazer ‘música de verdade’ pra eu ouvir. Foi o começo da minha perdição. O metal traz um ritmo hipnotizante, com guitarras distorcidas, percurssão umbandística e cabalística, feita para entrar na cabeça dos incautos jovens. Ouvi o CD de Chico apenas uma vez e já foi o bastante para a minha lavagem cerebral.
No fundo do poço Fiquei totalmente mudado desde então, passei a me encontrar com a turma todos os dias, estava me distanciando cada vez mais de Deus. O ponto de encontro preferido da turma era no cemitério municipal, onde era feito um consumo pesado de drogas e álcool. No cemitério eles jogavam o famigerado RPG, jogo de encenação de personagens demoníacos, bebiam e fumavam maconha e além disso criticavam os evangélicos nos ‘papos’. Na época eu estava com raiva de minha família, me sentindo revoltado, mas era por falta de Cristo no coração. Numa dessas conversas, Maiquel, o negro, deu uma idéia de jogar furadan (Veneno Mata-Rato) na caixa d’água da igreja. Todos riram e concordaram com a idéia. Nesta hora, Deus tocou meu coração. Ainda mais sabendo que toda minha família freqüentava a tal igreja.
Me levantei e falei que se jogassem alguma coisa na caixa-d’água eu denunciaria pessoalmente à força policial, e que além disso faria um alerta ao pastor Catarino, que presidia os cultos. Quando falei isso todos se voltaram contra mim, com os olhos vermelhos em braza. Notei então que estavam possessos por entidades de umbanda, como ‘Tranca-Rua’, ‘Pomba-Gira Cigana’, ‘Exu-Caveira’, ‘Chico-Xavier’ e ‘Zé Pelintra’. Onde eu havia me metido, Jesus ?
De volta aos braços de Cristo Me cercaram e tentaram me linchar e certamente teriam me estuprado também, mas com a graça do Nosso Senhor, consegui fugir e pular o muro. Refleti, orei e chorei muito aquela noite. Não sabia se merecia o perdão. No dia seguinte, cedo, nem fui à Xerosque, fui direto à Igreja e tive uma conversa de horas com pastor Catarino, que me instruiu no caminho do Senhor e me fez aceitar Cristo novamente. Hoje ainda vejo a famigerada turma metaleira, ainda perdidos e iludidos por aquele ritmo hipnótico e as letras satânicas com mensagens subliminares. Não é fácil sair daí, a minha recuperação foi longa e cheia de dificuldades, mas venci em Cristo, e hoje sou um respeitado obreiro, além de trabalhar como aprendiz de auxiliar de pedreiro. E futuramente, pretendo me tornar engenheiro civil ou até pastor."

2 comentários:

  1. Acho que o seu relato poderia entrar no Blog da Cleycianne. É mta unção.

    ResponderExcluir
  2. haha morri ao ler o trecho: "Notei então que estavam possessos por entidades de umbanda, como ‘Tranca-Rua’, ‘Pomba-Gira Cigana’, ‘Exu-Caveira’, ‘Chico-Xavier’ e ‘Zé Pelintra’. Onde eu havia me metido, Jesus ?"

    ResponderExcluir